Sarcopenia pode ser prevenida com musculação e dieta rica em proteínas

Centro de Reabilitação
Fonte: Dr. Paulo Cesar Ribeiro, médico intensivista e coordenador da Equipe Multidisciplinar de Terapia Nutricional (EMTN) do Hospital Sírio-Libanês.
Publicado em 10/04/2017

Derivado do grego, o termo sarcopenia significa “perda da carne” e diz respeito à diminuição da massa muscular (massa magra) no corpo. Esse processo faz parte do envelhecimento e é, em parte, responsável pela perda da qualidade de vida na terceira idade. Segundo a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, cerca de 15% dos brasileiros têm sarcopenia a partir dos 60 anos de idade, chegando a 46% após os 80 anos.

A sarcopenia do idoso pode ser causada por alterações hormonais e fisiológicas do próprio envelhecimento, por doenças que ocorrem frequentemente na velhice, mas também está associada ao sedentarismo e à má alimentação. “Na terceira idade, esses problemas se tornam mais frequentes em decorrência do estilo de vida, de limitações físicas ou por problemas como depressão e alterações dentárias”, avalia o dr. Paulo Cesar Ribeiro, médico intensivista e coordenador da Equipe Multidisciplinar de Terapia Nutricional (EMTN) do Hospital Sírio-Libanês.

Em pessoas saudáveis, a diminuição da massa magra geralmente inicia-se após os 30 anos de idade, com perdas em torno de 1% a 2% ao ano. Sem medidas preventivas, idosos com 80 anos de idade podem ter somente 50% de sua massa muscular da juventude.

No entanto, a sarcopenia não está ligada apenas ao envelhecimento. Algumas doenças como o câncer, processos infecciosos ou inflamatórios graves, traumatismos sérios, levam a uma perda de massa muscular acelerada, muito mais grave do que aquela que ocorre no envelhecimento.

Quais os sinais de sarcopenia?

A perda de massa muscular costuma demorar para ser percebida. Alguns dos primeiros sinais, no entanto, são:

  • Dificuldade em realizar atividades físicas, anteriormente consideradas fáceis, como subir escada, trocar uma lâmpada e carregar malas ou compras.
  • Desequilíbrio ao andar em terrenos acidentados, como ruas com desníveis e buracos.
  • Quedas constantes, geralmente, quando a perda muscular já está em estado avançado.

Segundo ressalta o dr. Paulo Cesar Ribeiro, a sarcopenia tem implicações diretas na qualidade de vida e aumenta o risco de lesões e fraturas decorrentes das quedas.

Alimentos ricos em proteína

O Ministério da Saúde recomenda a ingestão diária de 0,8 g de proteína para cada 1 kg de peso corporal. Ou seja, uma pessoa com 70 kg deve ingerir 56 g de proteína diariamente.

Alguns alimentos ricos em proteína:

Frango (100 g) = 32,8 g de proteína.
Queijo (100g) = 26 g de proteína.
Carne de vaca (100 g) = 26,4 g de proteína.
Soja (100 g) = 12,5 g de proteína.
Quinoa (100 g) = 12 g de proteína.
Tofu (100 g) = 8,5 g de proteína.
Feijão (100 g) = 6,6 g de proteína.

Como prevenir a sarcopenia?

Exercitar-se fisicamente e seguir uma dieta equilibrada com orientação profissional são os meios mais eficazes de prevenir ou minimizar a sarcopenia. Nas atividades físicas, destacam-se os exercícios de resistência, ou seja, musculação; e na dieta, os alimentos ricos em proteínas (veja ao lado). Essa combinação ajuda a ganhar ou manter massa muscular.

Para pessoas saudáveis recomenda-se hoje a ingestão de pelo menos 1 a 1,2 g de proteínas por quilo de peso corporal ao dia. Principalmente para indivíduos na terceira idade que não tenham nenhuma contraindicação para isso.

Para pacientes internados, a participação ativa nos exercícios de fisioterapia e a manutenção de uma dieta rica em proteínas (de 1,2 a 2 g por quilo de peso corporal) são fundamentais para reduzir a perda de massa muscular.

Como diagnosticar e tratar a sarcopenia?

O diagnóstico da sarcopenia, geralmente, é feito por um médico clínico geral ou por um geriatra, já que a doença é mais comum na terceira idade. Eles usam frequentemente como ferramenta diagnóstica os exames de tomografia nas regiões da perna e do abdômen para estimar o volume muscular. Exames de densitometria de corpo inteiro, ressonância magnética e ultrassom também podem ser solicitados, mas são menos usuais. Testes simples para avaliar a força muscular também são úteis.

O tratamento da sarcopenia envolve exercícios de resistência, conforme as condições físicas de cada paciente, e dieta orientada com suplementação de proteína, como whey protein. O tratamento é a longo prazo, podendo durar meses ou anos, e geralmente implica uma mudança de estilo de vida, portanto para a vida toda. Para pacientes que perderam massa muscular durante uma enfermidade aguda, o tratamento cessa com a recuperação do volume muscular e principalmente da força muscular.

Em alguns casos, quando a sarcopenia está em estágios mais avançados, o tratamento pode incluir também o uso de anabolizantes com acompanhamento médico. Trata-se da aplicação de hormônios sintéticos que imitam a função que hormônios tróficos têm em nosso corpo, contribuindo assim para o aumento da massa muscular.

O Hospital Sírio-Libanês conta em seu corpo clínico com médicos especializados no tratamento e no diagnóstico da sarcopenia. Os cuidados contra esse mal são oferecidos aos pacientes internados e externos, que procuram, por exemplo, pelos serviços do Núcleo Avançado de Geriatria e do Centro de Reabilitação e o Ambulatório de Nutrição e Qualidade de Vida, recentemente implantado, e gerenciado por médicos nutrólogos especializados.

Saiba mais sobre outros cuidados para quem deseja envelhecer com saúde.