Saiba como se proteger da toxoplasmose

Cardiologia; Doenças Pulmonares e Torácicas
Fonte: Dra. Vivian Helena Iida Avelino da Silva, médica infectologista e docente do programa de pós-graduação do Hospital Sírio-Libanês.
Publicado em 19/06/2017

A toxoplasmose é um problema de saúde resultante da infecção pelo parasita Toxoplasma gondii. Apesar de não ser grave para a maioria das pessoas, ela requer muita atenção das gestantes e daqueles que têm o sistema imunológico debilitado, como pessoas com aids ou que fizeram transplante.

Os principais meios de transmissão da toxoplasmose é a ingestão de água ou alimento contaminado por fezes de gatos e outros felinos infectados com o toxoplasma; ou a ingestão de carne mal cozida de vaca, porco ou carneiro que também tenham o parasita. “Não existe transmissão da toxoplasmose de uma pessoa para outra, a não ser no caso da gestante para o feto, que é uma das formas mais preocupantes da doença”, ressalta a dra. Vivian Helena Iida Avelino da Silva, médica infectologista no Hospital Sírio-Libanês.

A transmissão da toxoplasmose da mãe para o bebê pode ocorrer durante a gestação, no momento do parto ou na amamentação. Quando isso acontece, aumentam as chances de aborto espontâneo e morte do feto no útero. Se a mãe não se tratar, a criança também pode nascer com microcefalia, hidrocefalia ou com problemas na visão ou em outros órgãos.

Já nas pessoas com o sistema imunológico debilitado, a toxoplasmose tende a ser grave porque o poder de reação do organismo contra a doença é menor, o que em alguns casos, se não tratada a doença, pode até levar à morte.

Quais os sintomas da toxoplasmose?

Na maioria dos casos, os sintomas relacionados à toxoplasmose aparecem de duas a três semanas depois da infecção do parasita, e costumam ser:

  • Febre.
  • Caroços no pescoço.
  • Mal-estar.
  • Dor muscular.
  • Dor de cabeça.

Esses sintomas podem ser passageiros ou persistir por semanas. Mais raramente podem acontecer também:

  • Visão turva ou manchas na visão.
  • Inflamação dos pulmões, cérebro, coração e fígado (nos casos mais graves).

Curiosidades sobre a toxoplasmose

Alguns estudos observaram que ratos com toxoplasmose têm menos aversão pelo cheiro da urina de gatos também infectados pelo toxoplasma, e dessa forma permanecem mais próximos dos locais habitados pelos felinos. Ou seja, a toxoplasmose poderia fazer alguns ratos “perderem” o medo de estarem tão perto dos gatos.

Alguns pesquisadores acreditam que esse mesmo efeito também poderia ocorrer na relação entre humanos e gatos, justificando o fato de algumas pessoas amarem e outras terem aversão aos felinos domésticos.

Todas essas teorias, no entanto, ainda são inconclusivas e carecem de mais comprovações científicas.

Em alguns casos, porém, a toxoplasmose não apresenta qualquer sintoma.

Segundo explica a dra. Vivian, depois de se infectar com o parasita Toxoplasma gondii, a pessoa passa a ter a doença de forma latente no organismo. Ou seja, ela permanece em um estado de dormência. No entanto, se a imunidade do paciente ficar muito fraca, outros sintomas relacionados à doença podem aparecer na forma de abscessos no cérebro (com sintomas de dor de cabeça e paralisias) e pneumonia (com sintomas de tosse e falta de ar).

Como me prevenir da toxoplasmose?

A prevenção da toxoplasmose exige cuidados especiais de higiene, como sanitização de frutas e legumes com água corrente e solução com hipoclorito de sódio (água sanitária própria para alimentos antes do consumo).

Para pessoas que se alimentam com frequência fora de casa, recomenda-se dar preferência a alimentos bem cozidos e assados. Quem tem gatos, deve ficar atento à limpeza da caixa de areia ou outro local usado pelo animal para depositar suas fezes. Após contato com gatos e, principalmente, com suas fezes, as mãos devem ser corretamente higienizadas com água e sabão.

Mulheres grávidas devem redobrar a atenção e solicitarem a outras pessoas a manipulação e a limpeza das caixas de areia usada pelo animal.

Como diagnosticar e tratar a toxoplasmose?

O diagnóstico da toxoplasmose pode ser realizado através de exames que detectavam a presença de anticorpos contra o parasita ou pela identificação do próprio toxoplasma no sangue do paciente. “Isso permite um diagnóstico mais preciso e rápido nos casos suspeitos”, compara a dra. Vivian.

Na maioria dos casos, a toxoplasmose é combatida pelo próprio organismo da pessoa, mas quando seus sintomas são intensos ou quando acomete a visão e órgãos como pulmão, cérebro, coração e fígado, é preciso tratamento.

O tratamento da toxoplasmose envolve medicamentos que devem ser prescritos por um médico, pois quando não administrados corretamente, trazem riscos de efeitos colaterais.

O Hospital Sírio-Libanês oferece exames de detecção rápida da toxoplasmose e tem em sua equipe diversos médicos infectologistas especializados no tratamento dessa doença. Nos casos mais graves, o Hospital conta com médicos cardiologistas, neurologistas, oftalmologistas, pneumologistas, entre outros profissionais, que atuam de forma multidisciplinar para oferecer todos os cuidados necessários para cada paciente.