No Dia do Musicoterapeuta, conheça a musicoterapia e seus benefícios

Cuidados Integrativos; Oncologia
Fonte: Juliana Duarte Carvalho, coordenadora do serviço de Musicoterapia do Hospital Sírio-Libanês
Publicado em 15/09/2016

​Relatos de que a música faz bem para a saúde são muito antigos, desde o período antes de Cristo. Em 1944, porém, durante a Segunda Guerra Mundial, experiências musicais feitas com ex-combatentes demonstraram que a utilização da música e seus elementos ajudaram a diminuir a dor, o estresse e a ansiedade nos veteranos de guerra. Esses resultados deram origem à profissionalização da musicoterapia.

No Brasil, o dia 15 de setembro é muito importante para esta área, pois trata-se do Dia do Musicoterapeuta, profissional responsável pela utilização da música na terapia e como terapia. O profissional musicoterapeuta para atuar necessita cursar uma graduação ou uma pós-graduação em musicoterapia. Sua atuação é na área da saúde, na educação e no campo social.

“O musicoterapeuta emprega instrumentos musicais, o corpo, a voz e demais sons com a intenção de estabelecer canais de comunicação com seus pacientes”, explica a coordenadora do serviço de Musicoterapia do Hospital Sírio-Libanês, a musicoterapeuta Juliana Duarte Carvalho. “Desse modo, o musicoterapeuta auxilia indivíduos ou grupos no desenvolvimento de potenciais, na educação ou no restabelecimento de funções físicas, mentais e sociais”, acrescenta.

Estudos recentes têm demonstrado que a musicoterapia pode ajudar no enfrentamento do câncer. Um deles, realizado em 2011 pela Universidade de Drexel (Estados Unidos) com atualizações divulgadas em agosto de 2016, mostrou que esse tipo de terapia parece contribuir para o alívio da dor, da ansiedade e da fadiga. Ainda segundo esse estudo, a musicoterapia pode contribuir para a diminuição do número de medicamentos tomados pelos pacientes oncológicos, assim como o tempo de internação.

No Hospital Sírio-Libanês, a musicoterapia integra o Núcleo de Cuidados Integrativos com a proposta de oferecer um atendimento cada vez mais humanizado para pacientes, familiares, cuidadores e colaboradores.

Segundo Juliana, a musicoterapia possibilita a integração de pensamentos, emoções e sentidos rem relação aos processos de adoecimento, internação, convalescença e até nos momentos finais de vida. “A busca por uma maior harmonização e serenidade pode ser acessada pelas práticas Integrativas e a musicoterapia pode oferecer este espaço também”, comenta a musicoterapeuta.

Além da musicoterapia, o Núcleo de Cuidados Integrativos oferece Reiki, Acupuntura, Yoga Kundalini, entre outras práticas de saúde que visam a saúde, qualidade de vida, cuidado, educação e integração dos pacientes. Por ano, são feitos em média cerca de 1.200 tratamentos integrativos em nosso hospital.

A musicoterapia está disponível para todos pacientes internados ou em tratamento no Hospital Sírio-Libanês. Médicos e demais profissionais da saúde, pacientes ou seus familiares podem requisitar essa terapia. Às quartas-feiras, no período da tarde, Juliana presta atendimento às crianças e a seus acompanhantes na brinquedoteca, localizada no 6o andar do Bloco B na Unidade Bela Vista.