Asma

 
Fonte: Dra. Marcela De Oliveira Costa Ximenes
Publicado em 04/05/2021
Dia Mundial da Asma

A asma é causa importante de faltas escolares e no trabalho, representa a quarta causa de internação hospitalar no Brasil, acarretando dois mil óbitos por ano. Apesar de comum, muitos estão adaptados e convivem com os sintomas.

A causa exata da asma ainda não é conhecida, mas sem dúvida existem fatores em conjunto, como: fatores genéticos, ambientais, condições de nascimento e obesidade.

Consiste em uma doença crônica que afeta a vias respiratórias (local que conduz o ar para dentro e para fora de seus pulmões). Existem dois problemas principais na asma: aumento de muco (inflamação) nas vias respiratórias e contração dos músculos ao redor das vias aéreas (broncoespasmo). Esses problemas podem dificultar a respiração.

A pessoa com asma pode sentir como se estivesse respirando através de um canudo, em que sente dificuldade em mover o ar pelas vias respiratórias estreitas; a tosse é outro sintoma frequente, principalmente à noite ou de manhã cedo. Embora seja uma doença crônica, não necessariamente haverão sintomas todos os dias.

Para o correto diagnostico é preciso avaliação médica e a realização de um exame de função pulmonar (espirometria). Este exame é capaz de constatar a obstruções nas vias.

A asma varia conforme cada indivíduo, assim como também varia ao longo do tempo. Por isso, o tratamento deve ser individualizado e pode ser modificado conforme as variações. Existem dois tipos principais de medicações para a asma, são os broncodilatadores (aumentam o calibre das vias respiratórias) e os corticoide inalatórios (atuam na inflamação). Ambos visam evitar as crises, os sintomas, e as perda de função pulmonar.

A asma não tem cura, assim como hipertensão e diabetes, porém, é completamente possível desfrutar de vida normal e sem limitações, desde de que controlada.