Culto ao corpo faz crescer casos de transtorno alimentar entre homens

Obesidade e Transtornos Alimentares
Fonte: Dra. Claudia Cozer Kalil, endocrinologista e coordenadora do Núcleo de Obesidade e Transtornos Alimentares do Hospital Sírio-Libanês
Publicado em 02/10/2017

Uma pesquisa do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS, na sigla em inglês), divulgada em julho de 2017, demostrou que a obsessão por um corpo perfeito tem contribuído para o aumento dos casos de transtorno alimentar entre os homens. Esse problema pode estar ocorrendo também no Brasil.

O transtorno alimentar é um grupo de distúrbios que provocam comportamentos alimentares que prejudicam a saúde física e mental, sendo os mais conhecidos a anorexia e a bulimia. Pessoas com esses distúrbios, geralmente, se consideram com excesso de peso e acabam exagerando nos exercícios físicos, fazem uso descontrolado de laxantes e diuréticos ou forçam o vômito.

Segundo a dra. Claudia Cozer Kalil, endocrinologista e coordenadora do Núcleo de Obesidade e Cirurgia Bariátrica do Hospital Sírio-Libanês, não existem dados estatísticos precisos sobre a quantidade de pessoas com transtorno alimentar no Brasil. “A maioria das pessoas com este problema não procura ajuda médica porque não se considera doente”, justifica.

No entanto, durante sua prática médica, a endocrinologista tem observado um aumento de casos de transtorno alimentar entre homens e acredita que a busca por um corpo prefeito também pode ser uma das causas desses distúrbios no Brasil.

Em 2015, uma pesquisa realizada pela plataforma de comércio eletrônico Groupon com mais de 7 mil pessoas do Brasil, da Argentina, do Chile, da Colômbia e do México mostrou que 57,09% dos homens brasileiros estavam incomodados com seu peso, enquanto que nas mulheres a preocupação foi de 49,33%.

Transtorno alimentar continua sendo mais comum em mulheres

Apesar da tendência de aumento entre os homens, o transtorno alimentar ainda é bem mais comum entre as mulheres, principalmente nas adolescentes e jovens adultas. Provavelmente esse grupo da população sofra com maiores expectativas sociais de magreza.

Além disso, segundo a dra. Claudia, o transtorno alimentar em homens e mulheres pode ter como causa fatores genéticos, biológicos e psicológicos, como depressão, ansiedade, autoestima baixa e questões hormonais.

Cada tipo de transtorno alimentar apresenta uma característica diferente, mas eles se assemelham na preocupação extrema com o corpo, na valorização exagerada pelo ato de comer e no sofrimento ao se alimentar.

Alguns sintomas que podem estar relacionados a transtornos alimentares e que merecem auxílio médico quando surgem são:

  • Perda de peso inexplicável.
  • Desmaios e tonturas
  • Fadiga.
  • Isolamento social.
  • Menstruação irregular.
  • Alterações do humor.
  • Ir ao banheiro constantemente após se alimentar.
  • Vômitos.
  • Hálito cetônico (odor similar ao da acetona).

O Núcleo de Obesidade e Transtornos Alimentares do Hospital Sírio-Libanês conta com profissionais especializados para fazer o diagnóstico e o tratamento desses distúrbios.

No Hospital Sírio-Libanês, o tratamento dos transtornos alimentares é feito conforme as necessidades de cada paciente e envolve uma equipe multidisciplinar, composta por endocrinologista, psiquiatra, nutricionista e psicólogo. Eles fazem recomendações específicas para normalizar o comportamento alimentar e prevenir recaídas, e buscam envolver os pacientes em um processo de automonitorização da ingestão alimentar.

Além disso, há uma abordagem da autoestima e modificação da relação com a imagem corporal. A psicoterapia familiar é muito importante e eficaz para os pacientes adolescentes.

Por se tratar de uma doença com componente neuroquímico, antidepressivos também podem ser prescritos pelos médicos, pois agem no cérebro. Esses medicamentos ajudam a reduzir a frequência dos episódios compulsivos, diminuindo sintomas de ansiedade e depressão.