Câncer de cabeça e pescoço é um dos tumores mais frequentes em homens

Oncologia
Fonte: Dr. Gilberto de Castro, oncologista do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês
Publicado em 21/07/2017

Câncer de cabeça e pescoço é o nome que se dá ao conjunto de tumores que se manifestam na boca, na faringe e na laringe, entre outras localizações da cabeça e do pescoço. Embora diferentes tipos de tumores possam se desenvolver nessa região, o carcinoma epidermoide é o mais frequente. Segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca), em geral os tumores de cabeça e pescoço são mais frequentes em homens na faixa dos 60 anos de idade e representam o segundo tipo da doença com maior incidência na população masculina e o quinto mais comum entre as mulheres.

“Feridas de difícil cicatrização na boca ou na garganta, dor na garganta, dificuldade para engolir, sangramento ou dor ao escovar os dentes, rouquidão e nódulos no pescoço podem ser um sinal de alerta para a doença”, afirma o oncologista do Hospital Sírio-Libanês, dr. Gilberto de Castro Junior. Se em um prazo de 30 dias esses sintomas não desaparecerem, ele aconselha que a pessoa procure um médico.

Como se prevenir do câncer de cabeça e pescoço

  • Evite o tabagismo.
  • Evite o consumo abusivo de bebidas alcoólicas.
  • Vacine-se contra o papilomavírus humano (HPV).
  • Use preservativos.
  • Mantenha uma boa higiene bucal.
  • Consulte-se regularmente com um dentista.
  • Tenha uma alimentação equilibrada.

Os tumores de cabeça e pescoço estão relacionados ao tabagismo, ao consumo de bebidas alcoólicas e a infecções pelo papilomavírus humano (HPV), vírus transmitido principalmente pelas relações sexuais que atinge a pele e as mucosas. Segundo o dr. Castro, a relação entre o HPV e o câncer de cabeça e pescoço vem se tornando cada vez mais comum, sendo observada em 10% a 30% dos casos. “Por isso, a vacinação contra o HPV é fundamental”, afirma. Meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos já podem tomar a vacina gratuitamente no Sistema Único de Saúde. Para os portadores de HIV, a faixa etária é mais ampla, de 9 a 26 anos. Outros grupos etários podem dispor das vacinas em serviços privados, se indicado por seus médicos.

Diagnóstico precoce

A realização de campanhas de conscientização, como o Julho Verde, mês em que é comemorado o Dia Mundial do Câncer de Cabeça e Pescoço, no dia 27 de julho, tem o objetivo de disseminar informações sobre prevenção e detecção precoce desse tipo de câncer.

Quando diagnosticado logo no início, as chances de cura podem chegar a 80%. O diagnóstico é feito por meio de avaliação clínica — que muitas vezes pode ser realizada por um médico ou dentista, sem necessidade de equipamentos especiais —, além de biópsia e exames de imagem, como tomografia, ressonância magnética ou tomografia por emissão de pósitrons (PET, do inglês positron emission tomography).

O tratamento, dependendo de localização, características e extensão do tumor, pode incluir cirurgia, radioterapia ou quimioterapia, realizadas isoladamente ou em combinação. Após a identificação do câncer, é feita uma avaliação para verificar se o tumor é operável ou não, e então planejar o tratamento, que é multidisciplinar. “Além do oncologista, o paciente passa a ser acompanhado por fonoaudiólogos, enfermeiros, nutricionistas e fisioterapeutas, entre outros profissionais”, conclui o médico.

O Hospital Sírio-Libanês, referência em oncologia no Brasil, realiza investimentos continuados para que os melhores recursos tecnológicos estejam disponíveis para acompanhar a evolução no tratamento e no diagnóstico do câncer. Um novo serviço de patologia, uma nova unidade para transplante de medula óssea e a aquisição de um acelerador linear para radioterapia são alguns dos investimentos que vêm se traduzindo em melhores resultados para os pacientes.

O Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês oferece ao paciente oncológico um tratamento multidisciplinar, ainda mais fundamental nos casos de câncer de cabeça e pescoço. Apesar de os médicos terem um papel central e decisivo ao longo de todo o tratamento, outros profissionais são essenciais para garantir a qualidade da assistência. Equipes de enfermagem, farmácia, nutrição, fisioterapia, odontologia, entre outros, unem esforços para dar a cada paciente o melhor tratamento possível.

Além disso, o paciente conta com um Centro de Diagnósticos que oferece mais de 2 mil tipos de exames. Entre eles estão os de imagem e os de análises clínicas, que contribuem para a detecção precoce da doença, o que é um diferencial para o bom prognóstico do tratamento.