Ginecologista, Dr. Joji Ueno, responde principais dúvidas sobre preservação da fertilidade

Publicado em 05/10/2017

Seja por motivos pessoais, profissionais ou de saúde, hoje, com o avanço das técnicas de reprodução humana, é possível adiar uma gestação com mais segurança e eficiência. O especialista em Reprodução Assistida e ginecologista Dr. Joji Ueno, diretor e fundador da Clínica Gera, esclarece os principais questionamentos sobre a preservação da fertilidade.

Os óvulos congelados têm prazo de validade?

Não, as técnicas de criopreservação congelam os óvulos coletados a menos de 196º C, o que garante uma preservação por tempo indeterminado, preservando as células que, ao serem descongeladas, têm ótimas chances de fecundação. Além disso, 99% deles sobrevive ao descongelamento.

Congelamento de óvulos é uma alternativa segura para quem pretende postergar a gravidez e teme a infertilidade?

Os tratamentos que usam a técnica do congelamento de óvulos apresentam as mesmas taxas de sucesso quando comparadas a um procedimento com óvulos que não passaram pelo processo de congelamento. Essa técnica é indicada às mulheres que estejam passando por tratamentos de doenças que comprometem a fertilidade ou para mulheres que desejam postergar a maternidade.

O congelamento de óvulos reduz as chances de gravidez de risco depois dos 40 anos?

O risco é menor quando o óvulo é congelado antes de a mulher completar 35 anos. Por outro lado, complicações clínicas decorrentes de diabetes e hipertensão gestacional se mantém. Com relação à malformação do feto e as doenças genéticas, as chances são menores conforme a boa condição do óvulo.

Todas as mulheres podem congelar os óvulos?

Sim, desde que não estejam em tratamento de câncer. Neste caso, o congelamento é feito antes do ciclo medicamentoso, que atinge as células germinativas, aumentando os riscos de infertilidade, e naquelas pacientes que têm falência ovariana precoce. Assim, há necessidade de avaliar a reserva ovariana feita com dosagem do hormônio Anti-mulleriano ou contagem de folículos antrais.

Como fazer preservação da fertilidade?

A mulher tem que tomar injeções diariamente para produzir óvulos. Retira-se os óvulos, há uma captação do material e realiza-se a vitrificação. O ideal para a preservação da fertilidade é ter de 15 a 20 óvulos. Os óvulos fertilizados (embriões) também podem ser vitrificados. Outras formas de preservação são consideradas experimentais como: congelamento de tecido ovariano e de todo ovário.

A idade da mulher é o maior fator de prognóstico para conseguir uma gravidez?

A idade da mulher deve ser considerada quando se decide calcular as possibilidades de gravidez de um casal. A idade afeta tanto a quantidade, quanto a qualidade dos óvulos. A partir dos 35 anos, a fertilidade feminina começa a cair bruscamente e as chances de engravidar, após os 40 anos, são muito menores, além das chances de malformação e abortamento.

Inseminação artificial e fertilização in vitro é a mesma coisa?

Não. A fertilização in vitro é a colocação de espermatozoides em contato com óvulos em laboratório e, após a fecundação, os embriões são alocados no útero materno. Já a inseminação artificial consiste na injeção de espermatozoides dentro do útero por meio de um cateter.

Tratamentos de reprodução assistida garantem a gravidez?

Nenhuma das técnicas de reprodução assistida garante a gestação. Alguns métodos, no entanto, são mais assertivos. As chances de uma fertilização in vitro (FIV) resultar em gravidez giram em torno de 25 a 55%. Já nos casos de Inseminação Artificial, as taxas variam de 10 a 18% por ciclo, e com o Coito Programado, as chances são de aproximadamente 15% por tentativa.

A fertilização in vitro pode ser usada para prevenir as doenças hereditárias?

Sim, a fertilização in vitro pode prevenir doenças hereditárias. Os futuros pais, sabendo da existência de alguma doença genética, podem recorrer à seleção de embriões sem os genes potencialmente perigosos e responsáveis pela doença. Na realização do método, o bebê apresenta os mesmos ricos de alterações genéticas do que em uma gestação sem nenhum tratamento. Enquanto que, nos casos onde se opta pelo diagnóstico médico pré-implantacional, a chance de desenvolver uma doença herdada é extremamente inferior.

A síndrome da hiperestimulação é um risco da FIV? Durante o estágio de estimulação ovariana da FIV, as mulheres podem produzir excesso de hormônio, causando a síndrome da hiperestimulação do ovário, o que pode causar inchaço e dor. Essa síndrome se cura sozinha na ausência de uma gravidez. Em casos raros, pode agravar-se obrigando a internação da paciente para tratamento

Nos tratamentos para gravidez sempre nascem gêmeos?

Das gestações obtidas por fertilização in vitro (FIV), 70% podem ser gestações únicas, 27% gêmeos e 3% triplas ou mais. Atualmente, com a nova regulamentação do CFM, mulheres de até 35 anos recebem, no máximo, dois embriões; de 36 a 39 anos, recebem até três embriões; e mulheres com 40 anos ou mais, o número máximo de células transferidas sobe para quatro. A tendência mundial é que cada vez mais se opte por transferir apenas um embrião de mais qualidade.

Se a mulher estiver tomando pílula anticoncepcional ela estará "economizando" óvulos?

Não, a pílula não impede o consumo de óvulos. A mulher continua perdendo em torno de 1000 óvulos por mês. Mulheres que tomam pílula atingem a menopausa com a mesma idade das que não tomam anticoncepcional.

Dr. Joji Ueno - O ginecologista Dr. Joji Ueno é doutor em Medicina pela Universidade de São Paulo (USP), ex-fellow do Jones Institute for Reproductive Medicine (EUA) e fundador e diretor da Clínica Gera. Ueno também é autor da obra "Cirurgia Videoendoscópica em Ginecologia" e responsável pelo setor de Video-histeroscopia do hospital Sírio-libanês. É coordenador do curso de pós-graduação Lato Sensu em Medicina Reprodutiva do IEP-GERA.

 

Fonte: www.terra.com.br


Assunto(s): Bem-estar; Hospital; Notícias; Saúde
  • ​​​​​​Assessoria de Imprensa​

    Plantão
    +55 (11) 97613-3816

    FSB Comunicação

    Vanessa Rodrigues
    +55 (11) 3394-4830
    Rose Guirro
    +55 (11) 3394-4819
    Gabriela Scheinberg
    +55 (11) 3165-9762
    Max Gonçalves
    +55 (61) 9261-6565