Campanha Julho Verde alerta para o crescimento do número de casos de câncer de cabeça e pescoço

Publicado em 27/07/2018

No Brasil, o câncer de boca é o quarto tipo de tumor mais frequente em algumas regiões do país

Celebrado no dia 27 de julho, o Dia Mundial de Conscientização e Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço chama a atenção para prevenção e tratamento de tumores de cabeça e pescoço que atingem boca, língua, palato mole e duro, gengivas, bochechas, amígdalas, faringe, laringe, esôfago cervical, tireoide e seios paranasais.

Estima-se que, apenas em 2018, a doença deva atingir mais de 40 mil pessoas no país. Por isso, a campanha Julho Verde chama a atenção para a importância e a necessidade de um diagnóstico precoce para a eficácia do tratamento. Os sobreviventes enfrentam perdas significativas na qualidade de vida durante e após o tratamento.

Além da predisposição genética, o consumo de cigarro e álcool é o principal fator que pode ocasionar a doença. O uso combinado destas duas substâncias pode aumentar em até 20 vezes as chances de desenvolver um tumor. De acordo com o cirurgião de cabeça e pescoço do Hospital Sírio-Libanês, Prof. Dr. Flavio Hojaij, a maioria dos casos de tumores é derivada de fatores externos relacionados aos hábitos dos pacientes e, portanto, pode ser prevenida. "Abandonar hábitos prejudiciais à saúde, como fumar e beber, e buscar o diagnóstico precoce ampliam as possibilidades de cura do câncer", diz.

Nos últimos anos, a infecção pelo papilomavírus (HPV) tem contribuído para o aumento de incidência da doença. "A infecção pelo HPV é um importante fator de desenvolvimento do câncer de faringe. Uma das formas de contágio por essa infecção é por meio da prática do sexo oral e em pessoas com múltiplos parceiros sexuais", explica Hojaij. São cerca de 41 mil novos casos anualmente, segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca). "Uma das formas mais eficientes de prevenção contra o HPV é a vacina.".

O diagnóstico precoce e o rápido início do tratamento são fundamentais para a cura do câncer de cabeça e pescoço. Um dos principais problemas para o tratamento é o diagnóstico tardio, que ocorre em 60% dos casos, deixando sequelas no paciente.

Aumento do número de diagnósticos sem correspondente aumento da mortalidade.

Mais prevalente em mulheres, atualmente o câncer de tireoide tem sido diagnosticado com maior frequência, provavelmente relacionado a achados incidentais devido maior número de exames de imagem solicitados e, possivelmente, a fatores ambientais ainda não totalmente conhecidos. No entanto, esse aumento na incidência do diagnóstico do câncer de tireoide não correspondeu a um aumento da mortalidade relacionada a essa doença.

"Apesar do choque no momento do diagnóstico, este tipo de câncer apresenta, em grande parte dos casos, excelente resposta ao tratamento e, mesmo em casos mais avançados, a terapia pode ser bastante efetiva", explica a endocrinologista do Sírio-Libanês, Luciana Audi de Castro Neves. O denominado carcinoma diferenciado da tireoide (papilífero e folicular) corresponde a maioria dos casos de câncer de tireoide em adultos e crianças e apresenta cerca de 95% de taxa de cura. Já os demais subtipos, medular e anaplásico, são mais agressivos e correspondem a menos de 10% dos casos.

Fonte: O Povo Online

Assunto(s): Bem-estar; Clipping; Hospital; Notícias; Saúde
  • ​​​​​​Assessoria de Imprensa​

    Plantão
    +55 (11) 97613-3816

    FSB Comunicação

    Vanessa Rodrigues
    +55 (11) 3394-4830
    Rose Guirro
    +55 (11) 3394-4819
    Gabriela Scheinberg
    +55 (11) 3165-9762
    Max Gonçalves
    +55 (61) 9261-6565