Reumatologia

​​​Dor no Ombro

O ombro é a articulação mais móvel do corpo humano e muito suscetível a lesões, que ocorrem principalmente pela sua movimentação excessiva ou ainda por doenças que provocam inflamação ou degeneração dos tecidos.

Para descobrir a causa da dor no ombro, o exame físico realizado pelo médico é o mais importante, pois avalia a localização da dor, o grau de limitação da movimentação e a presença de “estalos” (crepitações). Caso seja necessário, exames suplementares, como raio x, ultrassom e ressonância magnética, podem ser indicados para diagnosticar a causa da dor e avaliar a extensão do comprometimento.

As tendinites, bursites e a chamada "síndrome do impacto", ou "síndrome do manguito rotador", podem ocorrer isolada ou conjuntamente e são as doenças mais comuns que afetam o ombro. Ao longo de muitos anos, movimentos como o de elevação podem levar à compressão dos tendões. Essa compressão pode, por sua vez, promover inflamação dos tendões e da bursa (um tecido que em circunstâncias normais protege o ombro), levando à tendinite e à bursite. Por vezes, ocorre a deposição de cálcio nos tendões, causando a chamada "tendinite calcárea". Alguns profissionais estão mais suscetíveis a esse tipo de lesão, como os que trabalham longas horas com computadores, professores, cabeleireiros e atletas.

A tendinite crônica, bem como a movimentação excessiva da articulação do ombro, o envelhecimento do organismo e mesmo traumas – com ou sem fraturas – podem promover a ruptura de um ou mais tendões do ombro.

Em geral, o tratamento começa com repouso, compressas com gelo e o uso de anti-inflamatórios. Caso não haja melhora, podem ser realizadas infiltrações com corticoide no ombro, com o objetivo de reduzir a dor e a inflamação. Se ainda assim o quadro persistir, uma cirurgia aberta ou por artroscopia pode ser necessária. Já a fisioterapia é importante para a gradual recuperação dos movimentos, sendo necessários exercícios de alongamento e fortalecimento da musculatura do ombro.

Outro problema do ombro é a chamada capsulite adesiva, ou "ombro congelado", denominação que se deve à movimentação extremamente restrita dessa articulação, como se o ombro realmente estivesse congelado. Isso pode ocorrer em decorrência da falta de movimentação do ombro causada por tendinite ou ruptura dos tendões. Pessoas que fizeram cirurgia no ombro, ou que apresentam artrite reumatoide, diabetes, doença cardíaca, pulmonar ou derrame cerebral são mais suscetíveis a essa condição. O tratamento da capsulite adesiva é feito com anti-inflamatórios, aplicação de calor local e fisioterapia, sendo essenciais os exercícios de alongamento. Em geral, a recuperação é lenta, podendo levar vários meses.

Outras causas menos frequentes de dor são fraturas e deslocamentos da articulação, bem como artrite e problemas nos nervos e vasos sanguíneos da região do ombro.

Vale lembrar que, muitas vezes, a dor no ombro é decorrente de dor nas áreas próximas, como a coluna cervical e o cotovelo, bem como de doenças que afetam o fígado, o coração e os pulmões.

De forma geral, a maior parte dos problemas do ombro pode ser evitada com medidas ergonômicas e exercícios físicos supervisionados por profissional qualificado, com o objetivo de promover o alongamento e o fortalecimento da musculatura dessa região.

Dra. Andrea B. V. Lomonte – CRM (SP): 97.841.

 


Você está visualizando:

Reumatologia

Outros conteúdos disponíveis para esta especialidade: