Ombro e Cotovelo

Fraturas do ombro

As fraturas da parte superior do braço (úmero) somam 5% de todas as fraturas que podem acontecer no esqueleto. Ocorrem com maior frequência em pacientes idosos devido à osteoporose e, geralmente, são causadas por quedas com o braço estendido, quando se apoia a mão no solo com toda a carga do corpo em cima. Pacientes jovens também podem sofrer essas fraturas em acidentes mais graves, como quedas de bicicleta e acidentes automobilísticos.

Tratamento das fraturas do ombro

O paciente apresenta muita dor no ombro, inchaço e até deformidade, além de dificuldade para movimentar o braço. O diagnóstico é feito por meio de exame físico e de exames de imagem, como raios X e tomografia computadorizada.

Algumas vezes as fraturas são estáveis e pouco desviadas, não requerendo tratamento cirúrgico. O uso de tipoia, repouso e, posteriormente, fisioterapia após a consolidação do osso costumam apresentar bons resultados.

Já as fraturas desviadas, em grande parte, requerem reconstrução por meio de procedimento cirúrgico, pois podem evoluir com dor e perda do movimento do ombro.

A evolução da fratura do úmero depende:

  • Do tipo de fratura.
  • Da idade do paciente.
  • Das condições de saúde do paciente.
  • Das expectativas do paciente.
  • Da fisioterapia adequada.
  • Da habilidade de restaurar cirurgicamente a anatomia da região da fratura.

Essas fraturas podem requerer até um ano de reabilitação e deixar, muitas vezes, como sequela, alguma limitação dos movimentos do ombro.

Há ainda outras fraturas do ombro, como as que acometem ossos como a clavícula e, mais raramente, a escápula.

 


Você está visualizando:

Ombro e Cotovelo

Outros conteúdos disponíveis para esta especialidade: