Fígado

​​​​​​​​​​​​​​Avaliação do Estado Nutricional e Estado Geral para a Alimentação​

A avaliação do edema, principalmente em paciente cirróticos, é extremamente importante para desmascarar possíveis falhas na interpretação do Índice de Massa Corporal (IMC).

Na presença de edema significativo, anasarca ou ascite, este parâmetro deverá ser considerado utilizando-se a tabela abaixo:

Tabela 1 – Classificação de estado nutricional segundo IMC para pacientes com cirrose hepática segundo CAMPILLO e colaboradores, 2006²

Classificação de Ascite Descrição Classificação de desnutrição
​​​​​​​​​​ Sem ascite Sem sinais de ascite IMC ≤ 22 Kg/m2
Ascite Moderada Leves sinais de ascite ou em utilização de tratamento com sucesso para sua melhora (diuréticos, paracentese etc...) IMC ≤ 23 Kg/m2
Ascite Grave​ Fortes sinais de ascite ou em utilização de tratamento sem sucesso para sua melhora (diuréticos, paracentese etc...) IMC ≤​ 25 Kg/m2

Também é importante observar o nível de consciência do paciente. Em presença de encefalopatia hepática, o paciente pode demonstrar-se agressivo e/ou confuso e, portanto, não conseguirá relatar adequadamente sua ingestão alimentar diária. Caso haja possibilidade, o acompanhante deverá ser consultado sobre os hábitos atuais de alimentação.³

A tabela abaixo traz a classificação para os vários estágios de encefalopatia hepática.

Tabela 2 ​ Estágios clínicos de encefalopatia hepática³

​​Estágio Ma​nifestação clínica
I Diminuição do ritmo mental; ciclo de despertar alterado.
II Confusão; comportamentos inapropriados.
III Muito sonolento; marcadamente confuso; delirante; hiperreflexivo.
​ IV Inconsciente.

Além disso, alguns pacientes deverão apresentar certos cuidados nutricionais no que diz respeito ao hábito intestinal. Pacientes cirróticos com encefalopatia apresentam trânsito oro-cecal mais longo do que os pacientes cirróticos sem encefalopatia, e estes apresentam trânsito oro-cecal parecido com indivíduos saudáveis4​. Sendo assim, indivíduos cirróticos com encefalopatia deverão possuir maior assistência nutricional no que diz respeito ao controle de evacuações.

A conduta dietética oferecida deverá levar em consideração hábitos alimentares individuais de cada paciente que deverão ser sempre respeitados e adaptados quando necessário.

A terapia nutricional deverá ser discutida com a equipe médica sempre que alguma restrição dietética ou inclusão de suplemento for realizada segundo as recomendações para a doença hepática em cada caso.

Referências bibliográficas

CAMPILLO, B. RICHARDET, J. P. BORIES, P. N. Validation of body mass index for the diagnosis of malnutrition in patients with cirrosis. Gastroenterol Clin Biol 2006; 30: 1137-1143.

LIZARDI-CERVERA, J. ALMEDA, P. GUEVARA, L. URIBE, M. Hepatic encephalopathy: a review. Ann Hepatol. 2003; 2:122-30.

BOUIN, M. VINCENT, C. BOUHIER, D. FATOME, A. PIQUET, M.A. VERWAERDE, J. C. DAO, T. Increased oro-cecal transit time in grade I or II hepatic encephalopathy. Gastroenterol Clin Biol 2004; 28: 1240-1244.

 


Você está visualizando:

Fígado

Outros conteúdos disponíveis para esta especialidade: