Imunizações

​​Vacina contra Papilomavírus Humano (HPV)

O papilomavírus humano (HPV) é o principal causador de doenças virais sexualmente transmissíveis. Ele também está relacionado à quase totalidade dos casos de câncer de colo de útero e tem sido frequentemente implicado no desenvolvimento de tumores da cavidade oral.

Existem vários subtipos de HPV. Quatro, no entanto, são os mais comuns e perigosos. Dois deles, os subtipos 16 e 18 correspondem a 70% dos casos de câncer de colo de útero. Já o 6 e o 11 estão associados a mais de 90% das ocorrências de verrugas genitais.

A vacina atualmente disponível previne contra infecção pelos tipos 6, 11, 16 e 18, oferecendo proteção de aproximadamente 100%.

Transmissão do HPV

A transmissão do HPV se dá por contato direto com a pele infectada, por meio das relações sexuais.

O HPV no Brasil

  • No Brasil, cerca de 25% da população feminina, sem nenhuma doença aparente, está infectada pelo HPV.

  • Estima-se que este número seja maior entre os homens, uma vez que sua ocorrência é ainda mais assintomática. Ou seja, os homens parecem ter mais HPV, agindo como transmissores, mas apresentam menos doenças que as mulheres.

Quem deve ser vacinado?

A vacina contra HPV foi aprovada para uso em mulheres de 9 a 26 anos, e, de preferência, deve ser administrada antes do início da vida sexual. Já há vários estudos concluídos que tornarão possível a utilização desta vacina em homens e em mulheres com idade acima de 26 anos.

A posologia recomendada é de três doses (com intervalo de dois meses entre elas), via intramuscular.

Efeitos colaterais

A maioria dos eventos adversos observados relaciona-se a reações locais moderadas no local da aplicação, como dor e calor.

Quem não pode tomar a vacina

A vacina é contra indicada em gestantes.