Imunizações

​​​​​​​​​Mulheres (20 a 59 anos)

Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) – 2015/2016

  • HPV (1)
    Esquemas e recomendações
    Duas vacinas estão disponíveis no Brasil: uma contendo VLPs dos tipos 6, 11, 16 e 18, licenciada para meninas e mulheres de 9 a 45 anos de idade e meninos e jovens de 9 a 26 anos; e outra contendo VLPs dos tipos 16 e 18, licenciada para meninas e mulheres a partir dos 9 anos de idade. Três doses: 0 - 1 a 2 - 6 meses.
    Não gestanteGestantePuérpera
    SIMContraindicadaSIM
    Disponibilização das vacinas
    Gratuitas na rede públicaClínicas privadas de vacinação
    NÃO SIM
    ​​​​
  • Tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) (2)
    Esquemas e recomendações
    É considerada protegida a mulher que tenha recebido duas doses da vacina tríplice viral acima de 1 ano de idade e com intervalo mínimo de um mês entre elas.
    Não gestanteGestantePuérpera
    SIMContraindicadaSIM
    Disponibilização das vacinas
    Gratuitas na rede públicaClínicas privadas de vacinação
    SIM, até os 49 anosSIM
    ​​​​
  • Hepatite A (3)
    Esquemas e recomendações
    Hepatite A: duas doses, no esquema 0 - 6 meses.
    Não gestanteGestantePuérpera
    SIMConsiderar nas suscetíveis (3)SIM
    Disponibilização das vacinas
    Gratuitas na rede públicaClínicas privadas de vacinação
    NÃO SIM
    ​​​​
  • Hepatite B (3)
    Esquemas e recomendações
    Hepatite B: três doses, esquema 0 - 1 - 6 meses.
    Não gestanteGestantePuérpera
    SIMRecomendadaSIM
    Disponibilização das vacinas
    Gratuitas na rede públicaClínicas privadas de vacinação
    SIM SIM
    ​​​​
  • Hepatites A e B (3)
    Esquemas e recomendações
    Hepatite A e B: três doses, no esquema 0 - 1 - 6 meses.
    Não gestanteGestantePuérpera
    SIMConsiderar nas suscetíveis (3)SIM
    Disponibilização das vacinas
    Gratuitas na rede públicaClínicas privadas de vacinação
    NÃO SIM
    ​​​​
  • Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto / Difteria, tétano e coqueluche (4)
    Esquemas e recomendações
    Atualizar dTpa independente de intervalo prévio com dT ou TT.

    Com esquema de vacinação básico para tétano completo: reforço com dTpa a cada dez anos.

    Com esquema de vacinação básico incompleto: uma dose de dTpa a qualquer momento e completar a vacinação básica com uma ou duas doses de dT (dupla bacteriana do tipo adulto) de forma a totalizar três doses de vacina contendo o componente tetânico.

    Para mulheres que pretendem viajar para países nos quais a poliomielite é endêmica: recomenda-se a vacina dTpa combinada à pólio inativada (dTpa-VIP). A dTpa-VIP pode substituir a dTpa, inclusive em gestantes.

    Considerar antecipar reforço com dTpa: para cinco anos após a última dose de vacina contendo o componente pertussis para mulheres contactantes de lactentes.

    Durante a gestação(4): ver quadro nos comentários.
    Não gestanteGestantePuérpera
    SIMRecomendada dTpaSIM
    Disponibilização das vacinas
    Gratuitas na rede públicaClínicas privadas de vacinação
    SIM dT para todos dTpa para gestantes SIM dTpa e dTpa-VIP
    ​​​​
  • Varicela (catapora)(2)
    Esquemas e recomendações
    Para suscetíveis:duas doses com intervalo de um a dois meses.
    Não gestanteGestantePuérpera
    SIMContraindicadaSIM
    Disponibilização das vacinas
    Gratuitas na rede públicaClínicas privadas de vacinação
    NÃO SIM
    ​​​​
  • Influenza (gripe) (5)
    Esquemas e recomendações
    Dose única anual.
    Não gestanteGestantePuérpera
    SIMRecomendadaSIM
    Disponibilização das vacinas
    Gratuitas na rede públicaClínicas privadas de vacinação
    SIM para grupos de risco e gestantes SIM
    ​​​​
  • Febre amarela (2, 6)
    Esquemas e recomendações
    Uma dose para residentes ou viajantes para áreas de vacinação (de acordo com classificação do MS e da OMS). Se persistir o risco, fazer uma segunda dose dez anos após a primeira. Vacinar pelo menos dez dias antes da viagem.
    Não gestanteGestantePuérpera
    SIMContraindicada (6)Contraindicada na amamentação (6)
    Disponibilização das vacinas
    Gratuitas na rede públicaClínicas privadas de vacinação
    SIM SIM
    ​​​​
  • Meningocócica conjugada ACWY (7)
    Esquemas e recomendações
    Uma dose. A indicação da vacina, assim como a necessidade de reforços, dependerão da situação epidemiológica.
    Não gestanteGestantePuérpera
    SIMA ser considerada em situações de risco aumentadoSIM
    Disponibilização das vacinas
    Gratuitas na rede públicaClínicas privadas de vacinação
    NÃO SIM
    ​​​​
  • Meningocócica B
    Esquemas e recomendações
    Duas doses com intervalo de um mês.
    Considerar seu uso avaliando a situação epidemiológica.
    Não gestanteGestantePuérpera
    SIMA ser considerada em situações de risco aumentadoSIM
    Disponibilização das vacinas
    Gratuitas na rede públicaClínicas privadas de vacinação
    NÃO SIM
    ​​​​
  • Pneumocócicas (8)
    Esquemas e recomendações
    Esquema sequencial de VPC13 e VPP23 é recomendado para mulheres com 60 anos ou mais (ver Calendário de vacinação SBIm idoso).
    Não gestanteGestantePuérpera
    SIMA ser considerada em situações de risco aumentadoSIM
    Disponibilização das vacinas
    Gratuitas na rede públicaClínicas privadas de vacinação
    NÃO SIM
    ​​​​
  • Herpes zóster (9)
    Esquemas e recomendações
    Recomendada para mulheres com 60 anos ou mais, dose única (ver Calendário de vacinação SBIm idoso).
    Não gestanteGestantePuérpera
    SIMContraindicadaSIM
    Disponibilização das vacinas
    Gratuitas na rede públicaClínicas privadas de vacinação
    NÃO SIM
    ​​​​

Observação

Sempre que possível, evitar a aplicação de vacinas no primeiro trimestre de gravidez. Após a aplicação de vacinas de vírus vivos atenuados (tríplice viral, varicela e febre amarela), a mulher deve ser orientada a aguardar o prazo de um mês para engravidar.

Comentários

  1. Mulheres mesmo que previamente infectadas podem se beneficiar da vacinação.

  2. Vacinas de vírus atenuados são de risco teórico para o feto, sendo, portanto, contraindicadas em gestantes.

  3. Hepatite A é vacina inativada, portanto, não contraindicada em gestantes. Já que no Brasil as situações de risco aumentado de exposição ao vírus são frequentes, a vacinação de gestantes deve ser considerada. A vacina combinada para as hepatites A e B é uma opção e pode substituir a vacinação isolada para as hepatites A e B.

  4. A melhor época para a aplicação da vacina dTpa em gestantes é entre a 27a e a 36a semana de gestação (permite transferência de maior quantidade de anticorpos maternos para o feto), mas a vacina pode ser recomendada a partir da 20a semana até o momento do parto. Mulheres não vacinadas na gestação devem ser vacinadas no puerpério, o mais precocemente possível. A vacinação com dTpa deve ser repetida a cada gestação.

    A vacina está recomendada mesmo para aquelas que tiveram a coqueluche, já que a proteção conferida pela infecção não é permanente.

    Histórico vacinalConduta na gravidezConduta após a gravidez
    Previamente vacinada, com pelo menos três doses de vacina contendo o toxoide tetânico.Uma dose de dTpa a cada gestação.Fazer dTpa no puerpério, se não vacinada durante a gestação.
    Em gestantes que receberam vacinação incompleta tendo recebido uma dose de vacina contendo o toxoide tetânico na vida.Uma dose de dT (a qualquer momento) seguida de uma dose de dTpa (entre a 27a e 36a semanas de gestação), sempre que possível respeitando intervalo mínimo de um mês entre elas, no esquema 0 - 2 meses.Fazer dTpa no puerpério, se não vacinada durante a gestação e completar esquema para o tétano com dT.
    Em gestantes que receberam vacinação incompleta para tétano, tendo recebido duas doses de vacina contendo o toxoide tetânico na vida.Uma dose de dTpa.Fazer dTpa no puerpério, se não vacinada durante a gestação.
    Em gestantes com vacinação desconhecida.Duas doses de dT e uma dose de dTpa, sendo que a dTpa deve ser aplicada entre a 27a e a 36a semana de gestação. Adotar esquema 0 - 2 - 4 meses ou 0 - 2 - 6 meses. Fazer dTpa no puerpério, se não vacinada durante a gestação e completar esquema para o tétano com dT.

    Na falta de dTpa, substituir por dTpa-VIP.

  5. A gestante é grupo de risco para as complicações da infecção pelo vírus da influenza. A vacina está recomendada nos meses da sazonalidade do vírus, mesmo no primeiro trimestre de gestação.

    Desde que disponível, a vacina influenza 4V é preferível à vacina influenza 3V, inclusive em gestantes, por conferir maior cobertura das cepas circulantes. Na impossibilidade de uso da vacina 4V, utilizar a vacina 3V.

  6. Contraindicada na gravidez, porém seu uso pode ser permitido após ponderaçã o do risco/benefício da vacinação: 1) não anteriormente vacinadas e que residem em áreas de risco para febre amarela; 2) que vão se deslocar para região de risco da doença, na impossibilidade total de se evitar a viagem durante a gestaçã o. Gestantes que viajam para países que exigem o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP) devem ser isentadas da vacinaçã o, se não houver risco de transmissão. É contraindicada em nutrizes até que o bebê complete 6 meses; se a vacinação não puder ser evitada, suspender o aleitamento materno por pelo menos 15 dias e preferencialmente 30 dias após a imunizaçã o. Contraindicada para imunodeprimidas; porém, quando os riscos de adquirir a doença superam os riscos potenciais da vacinação, o médico deve avaliar sua utilização.

  7. As vacinas meningocócicas conjugadas são inativadas, portanto sem risco teórico para a gestante e o feto. Na indisponibilidade da vacina meningocócica conjugada ACWY, substituir pela vacina meningocócica C conjugada.

  8. A VPC13 está licenciada a partir dos 50 anos de idade, ficando a critério médico sua recomendação nessa faixa etária. VPC13 e VPP23 são vacinas inativadas, portanto sem riscos teóricos para a gestante e o feto. Devem ser recomendadas para gestantes de alto risco para a doenca pneumocócica.

  9. Vacina licenciada a partir dos 50 anos. Recomendada mesmo para aquelas que já apresentaram quadro de herpes zóster. Nesses casos, aguardar o intervalo de um ano, entre o quadro agudo e a aplicação da vacina. Em caso de pacientes com história de herpes zóster oftálmico, não existem ainda dados suficientes para indicar ou contraindicar a vacina. Uso em imunodeprimidos: a vacina não deve ser empregada em indivíduos com estados de imunodeficiência primária ou adquirida ou em uso de terapêuticas em posologias consideradas imunossupressoras.

  • Sempre que possível, preferir vacinas combinadas;
  • Sempre que possível, considerar aplicações simultâneas na mesma visita;
  • Qualquer dose não administrada na idade recomendada deve ser aplicada na visita subsequente;
  • Eventos adversos significativos devem ser notificados às autoridades competentes;
  • Algumas vacinas podem esta​r especialmente recomendadas para pacientes portadores de comorbidades ou em outra situação especial.

​Consulte os Calendários de vacinação SBIm pacientes especiais.

​​​​ ​​​

 


Você está visualizando:

Imunizações

Outros conteúdos disponíveis para esta especialidade: