Confira o que os especialistas do Hospital Sírio-Libanês já falaram na imprensa sobre o novo Coronavírus:

HOSPITAIS BRASIL ONLINE
Data Veiculação: 10/06/2020 às 00h00

Com a pandemia de Coronavírus e o isolamento social, a tecnologia se tornou grande aliada de diversos setores e com a saúde não seria diferente. Pensando nisso, a Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) criou o Anahp Ao Vivo, uma série de webinars que trará debates semanais sobre temas relevantes para o setor de saúde durante a pandemia, com a participação dos principais players do mercado. Na estreia, que acontece nesta quarta-feira (10), a partir das 18h, o tema abordado será “Covid-19: a importância da utilização de dados na tomada de decisão na saúde”. A live contará com a mediação do Diretor Geral do Hospital Sírio Libanês, Paulo ChapChap, e a participação de Vanessa Teich, Superintendente de Economia da Saúde do Hospital Israelita Albert Einstein; Jacson Barros, Diretor do Datasus; Rudi Rocha, professor da Fundação Getúlio Vargas – FGV; Cesar Abicalaffe, CEO da 2im Inteligência Médica; e Marco Aurélio Ferreira, Diretor-executivo do Conselho de Administração da Anahp . Anahp Ao Vivo Data: 10 de junho Horário: 18h Transmissão pelo canal da Anahp no Youtube: www.youtube.com/user/anahpbrasil

YAHOO! FINANÇAS/SÃO PAULO
Data Veiculação: 10/06/2020 às 00h00

A associação preparou um protocolo com orientações a serem seguidas Totens com álcool em gel para higienização das mãos na entrada, medição de temperatura, equipes pulverizando produtos de limpeza nos ambientes e recomendações de distanciamento social. O horário de funcionamento também será reduzido, das 16h às 20h, com lotação máxima de 20% da capacidade. Esse será o ambiente que os consumidores irão encontrar nos shoppings de São Paulo com a reabertura a partir de amanhã. As medidas fazem parte do protocolo definido pela Associação Brasileira de Shoppings Centers (Abrasce) e das recomendações do Governo do Estado e da Prefeitura da capital. “Voltaremos a fazer parte do seu dia a dia e nos comprometemos em seguir com cautela e muita atenção para que essa volta seja íntegra e perene”, disse a associação em carta aberta à população divulgada hoje. No material assinado por Glauco Humai, a Abrasce destaca que nos 83 dias em que os estabelecimentos ficaram fechados, houve uma preparação para receber o público com segurança. A associação destacou a criação de um protocolo com mais de 20 medidas que foram avaliadas e validadas pelo Sírio-Libanês. “Se precisar ir ao Shopping, vá com tranquilidade e respeite as orientações passadas pelos empreendimento. Use máscara, faça compra de forma programada, higienize as mãos com frequência nos dispensers disponíveis no shopping e mantenha o distanciamento social”, diz a nota. Confira o vídeo preparado pela Abrasce para todos os empreendimentos com as mudanças.

AMAZONAS NOTICIAS
Data Veiculação: 10/06/2020 às 00h00

A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) capacitou, nesta quarta-feira (10/06), profissionais de saúde de hospitais do interior – enfermeiros, fisioterapeuta e médicos – no manuseio de respiradores que estão sendo entregues pelo Governo do Estado aos municípios. São 35 equipamentos doados pelo programa “Todos Pela Saúde” e também pela própria Susam que estão sendo entregues em municípios do interior do Amazonas para o enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. Na entrega dos respiradores, no auditório da Susam, os profissionais dos hospitais de Autazes, Itapiranga, Novo Airão, Presidente Figueiredo e Rio Preto da Eva passaram pela capacitação técnica. A instalação dos equipamentos permite a montagem de leitos de Unidades de Cuidados Intermediários (UCI), que são usados nos municípios para que aqueles pacientes que agravaram sejam estabilizados. Desde os primeiros casos de Covid-19 registrados no interior, o número de leitos de UCI com respirador aumentou 157%, saindo de 49 para 126. Desde o início da pandemia, foram enviados 71 respiradores de aquisição da Susam e do Ministério da Saúde (MS) para o interior do Amazonas. O número de respiradores invasivos e não-invasivos subiu de 65 para 195, contando com os equipamentos também adquiridos pelos próprios municípios. O secretário executivo de Atenção Especializada ao Interior da Susam, Cássio Espírito Santo, informou que a secretaria inicialmente estruturou com respiradores os hospitais dos municípios que são polos regionais de saúde. “Após completarmos 100% dos polos com leitos de UCI, agora é a vez dos subpolos e municípios que possuem maior número de casos epidemiológicos”, explicou. Os municípios subpolos, como Borba, Carauari, Coari, Fonte Boa, Guajará, Maués e Santo Antônio do Içá, receberão dois respiradores cada. Alvarães, Anamã, Anori, Barreirinha, Benjamin Constant, Beruri, Careiro Castanho, Juruá, Novo Aripuanã, Nova Olinda do Norte, São Paulo de Olivença, Santa Izabel do Rio Negro, Tapauá, Tonantins, Urucará e Urucurituba receberão um respirador, cada. Doações – O Programa “Todos Pela Saúde”, que conta com a participação da Fundação Itaú-Unibanco, Hospital Sírio Libanês e Sociedade Israelita Albert Einstein, realizou a doação de 26 respiradores para o interior. A Susam está entregando outros 10 equipamentos, sendo que um deles será para equipar mais uma ambulância usada no traslado de pacientes, que vem de UTI aérea do interior, entre o aeroporto e os hospitais da capital. Foto: Geizyara Brandão/Susam

AMAZONAS NOTICIAS
Data Veiculação: 10/06/2020 às 00h00

A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) capacitou, nesta quarta-feira (10/06), profissionais de saúde de hospitais do interior – enfermeiros, fisioterapeuta e médicos – no manuseio de respiradores que estão sendo entregues pelo Governo do Estado aos municípios. São 35 equipamentos doados pelo programa “Todos Pela Saúde” e também pela própria Susam que estão sendo entregues em municípios do interior do Amazonas para o enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. Na entrega dos respiradores, no auditório da Susam, os profissionais dos hospitais de Autazes, Itapiranga, Novo Airão, Presidente Figueiredo e Rio Preto da Eva passaram pela capacitação técnica. A instalação dos equipamentos permite a montagem de leitos de Unidades de Cuidados Intermediários (UCI), que são usados nos municípios para que aqueles pacientes que agravaram sejam estabilizados. Desde os primeiros casos de Covid-19 registrados no interior, o número de leitos de UCI com respirador aumentou 157%, saindo de 49 para 126. Desde o início da pandemia, foram enviados 71 respiradores de aquisição da Susam e do Ministério da Saúde (MS) para o interior do Amazonas. O número de respiradores invasivos e não-invasivos subiu de 65 para 195, contando com os equipamentos também adquiridos pelos próprios municípios. O secretário executivo de Atenção Especializada ao Interior da Susam, Cássio Espírito Santo, informou que a secretaria inicialmente estruturou com respiradores os hospitais dos municípios que são polos regionais de saúde. “Após completarmos 100% dos polos com leitos de UCI, agora é a vez dos subpolos e municípios que possuem maior número de casos epidemiológicos”, explicou. Os municípios subpolos, como Borba, Carauari, Coari, Fonte Boa, Guajará, Maués e Santo Antônio do Içá, receberão dois respiradores cada. Alvarães, Anamã, Anori, Barreirinha, Benjamin Constant, Beruri, Careiro Castanho, Juruá, Novo Aripuanã, Nova Olinda do Norte, São Paulo de Olivença, Santa Izabel do Rio Negro, Tapauá, Tonantins, Urucará e Urucurituba receberão um respirador, cada. Doações – O Programa “Todos Pela Saúde”, que conta com a participação da Fundação Itaú-Unibanco, Hospital Sírio Libanês e Sociedade Israelita Albert Einstein, realizou a doação de 26 respiradores para o interior. A Susam está entregando outros 10 equipamentos, sendo que um deles será para equipar mais uma ambulância usada no traslado de pacientes, que vem de UTI aérea do interior, entre o aeroporto e os hospitais da capital. Foto: Geizyara Brandão/Susam

JORNALDEBRASILIA.COM.BR/BRASÍLIA
Data Veiculação: 10/06/2020 às 20h56

PUBLICIDADE A Secretaria de Atendimento à Comunidade articula parceria com o programa Todos pela Saúde, do Itaú Unibanco, para auxiliar instituições de idosos durante a pandemia de coronavírus no Distrito Federal (DF). O comitê responsável pelo programa explicou como atua e quais são áreas de abrangência do projeto. A reunião foi on-line nesta quarta-feira (10) com o Secretário Severino Cajazeiras. A proposta apresentada para o DF compreende em apoiar o combate à Covid-19 em Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs). A iniciativa já mapeou sete ILPI no DF para atuar em quatro frentes: informar, cuidar, proteger e retomada. Entre as ações desenvolvidas estão a distribuição de material educativo para os colaboradores e idosos, fornecimento de equipamento de proteção individual e outros materiais necessários, além do fomento a pesquisa. A implantação do projeto será em conjunto com as Secretarias de Atendimento à Comunidade, Saúde Desenvolvimento Social e Justiça e Cidadania. De acordo com projeto, a intenção é somar força sem sobrepor os trabalhos em andamento pelo Governo do Distrito Federal (GDF). Ao total, 324 idosos das setes instituições serão atendimentos seguindo notas técnicas do Ministério da Saúde e os protocolos definidos pelo Todos Pela Saúde O projeto atende a população vulnerável, pela idade, histórico de comorbidades e por morar em habitação coletiva. Esses itens são motivos para atenção dos idosos e têm a alta taxa de mortalidade registrada em países da Europa. A estratégia do projeto é atuar na prevenção, orientação, avaliação e monitoramento juntos as ILPIS. CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE E quando há o diagnóstico precoce tomar as precauções corretas e cabíveis ao momento. Realocando os idosos que testaram positivo, por exemplo. O secretário Severino Cajazeiras avalia que a parceria é interessante para o GDF, porque já existe um aparato estruturado e essa ajuda chega como forma de ampliar a atuação do estado. “Vou articular para firmar a parceria o mais breve possível. O papel da nossa secretaria é ser um elo entre as entidades e as diversas áreas do executivo”, afirmou o secretário Cajazeiras. A previsão para o desenvolvimento nas instituições é de duas semanas, após finalizarem os trâmites burocráticos. Todos pela Saúde O programa Todos pela Saúde do Itaú Unibanco é um projeto criado para contribuir no combate ao novo coronavírus apoiando as iniciativas da saúde pública em todo o Brasil. O projeto é integrado por um grupo de especialistas sob a liderança do médico Paulo Chapchap, doutor em clínica cirúrgica pela Universidade de São Paulo e diretor-geral do Hospital Sírio Libanês. Em parceria como Sistema Único de Saúde o Todos pela Saúde colabora na organização das demandas estaduais para definir e realizar as ações prioritárias. Com informações da Agência Brasília CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

SAÚDE BUSINESS ONLINE/SÃO PAULO
Data Veiculação: 10/06/2020 às 18h51

O Concierge sempre foi símbolo de competência, atendimento impecável e único. Com o cenário atual, encontramos um desafio: como fazer isso em tempos nos quais não podemos ficar tão próximos do paciente para ouvir e conhecer a sua história e encantar com algo surpreendente ou até mesmo algo simples, mas que fará a diferença? Melhor ainda, como faremos isso sem que a saúde e a segurança dos colaboradores sejam afetadas? Tendo em vista que precisamos lembrar que caso acontecesse, teríamos um grande problema de absenteísmo… Sendo assim, vou contar a minha experiência. Entrei de férias juntamente com meu marido em março e quando voltei, encontrei um hospital completamente diferente em fluxos, rotinas e caminhos. Confesso que me assustei e tive que parar por alguns minutos para assimilar tudo. Me lembrei de uma famosa citação do escritor e futurista norte-americano Alvin Toffler que diz: “O analfabeto do século XXI não será aquele que não consegue ler e escrever, mas aquele que não consegue aprender, desaprender e reaprender”. Sendo assim, reaprendi. Entendi os fluxos, acompanhei presencialmente e voltei para o meu andar. Fomos nos adaptando e encontrando formas de realizar este acolhimento, sem perder a essência do calor humano. Para explicar melhor, vou dividir em duas partes: fluxo e rotina para POSITIVO e NEGATIVO (pois todos precisam sentir que estão em um local seguro). COVID-19 positivo ou suspeito: Para os internados, o concierge não realiza visitas presenciais mas faz contato telefônico e encaminha carta detalhando todos os serviços disponíveis como uma forma de demonstrar nosso acolhimento e nos colocarmos à disposição. Entre os serviços que oferecemos estão: Contato e tarifa acordo com hotéis (pois há pacientes que não podem voltar para casa após alta hospitalar por terem familiares do grupo de risco); Apoio religioso (presencialmente somente o católico pois temos o nosso próprio padre e acompanhamos sua saúde. Para as demais religiões, sugerimos o uso da tecnologia e realizamos o empréstimo); Empréstimo de carregador de celular, notebook e mesa para notebook; Lavanderia; Comemorações (outro ponto que tivemos que repensar. Algo rotineiro como organizar uma festa de aniversário, já não poderia ser feito como fazíamos antigamente. O simples fato de encher uma bexiga teve que ser revisitado para não colocarmos nossas gotículas dentro e reforçarmos a segurança. Sendo assim, agora usamos um inflador compressor para balões, enviamos um cartão personalizado, toda equipe assina mas somente o técnico responsável pelo paciente entra); Solicitação de Táxi; Orientações sobre trotes telefônicos, normas Covid-19, informações gerais do Hospital; Indicação de drogaria e serviços disponíveis; Informações de ramais. COVID-19 negativo: Todos os serviços citados acima são vigentes para os pacientes que o teste deu negativo. E agora, mais do que nunca, temos que focar na personalização do atendimento. Por exemplo, tive um paciente que em todos os anos o tema da festa dele de aniversário foi “arraiá”, pois nasceu em junho. A família estava bem desanimada pois já tinha a pandemia para afastar de todos e ainda pensaram que a internação seria outro fator para “impedir” a comemoração. Conversando com a mãe, descobri várias informações, inclusive o tema de todos os aniversários anteriores. Sendo assim, pedi para me encaminharem as fotos favoritas deles, fiz um cartaz em tamanho A3 de convite para colocar na porta, pedi para a irmã organizar uma reunião com todos os familiares pelo Zoom para que todos pudessem participar, fiz bandeirolas personalizadas para colocar em cima da cama e toda a decoração foi com tema arraiá (como o bolo da festa, demonstrado na foto). Resultado: choro de felicidade, fidelização do cliente e uma família incrivelmente satisfeita. Os que são covid negativo, as visitas introdutórias do serviço de hospitalidade continuam sendo passadas, porém com muitas diferenças. Logo no começo, não poderíamos mais oferecer os serviços religiosos, cuidados integrativos (musicoterapia, reike, acupuntura, relaxamento corporal), serviços de beleza, etc. Dentre todos os serviços citados, somente o padre que devido acompanharmos sua saúde conseguimos voltar. Todavia, os outros serviços ainda estão suspensos, mesmo para os negativos. Temos também solicitações inesperadas: agora os pacientes – mesmo os não que não foram infectados com o coronavírus – querem sair com salva de palmas e festa! O corredor de bexigas e cores invadiu o coração dos pacientes e a emoção toma conta. Isto ocorre principalmente com quem é longa permanência. A organização deste corredor é por conta do Concierge: chamar a equipe multi, motivar todos a participarem, imprimir os cartões e encher as bexigas. Há aqueles que saem com salva de palmas, mas infelizmente temos também os que vão a óbito. Seguindo a portaria do Ministério da Saúde apresentada em 25/03 tratando sobre o procedimento do manejo do corpo, foi implantado o reconhecimento do corpo digital. Isto é, quando o Concierge é acionado para orientar um familiar sobre as questões burocráticas do óbito, informamos sempre com muito respeito e cuidado, que agora o reconhecimento é feito via iPad. Confesso que este tem sido o ponto mais difícil, para mim, durante esta pandemia. Ouvir de um acompanhante dizer “posso olhar somente mais uma vez? Infelizmente será a única forma de me despedir dela.” é o que mais dói. Fora todas as atividades mencionadas, intensificamos ainda mais o apoio às áreas assistenciais: agendamento de exames que não são necessários passar caso, solicitações e acompanhamento de vagas para gestão de leitos visando deixar os pacientes alocados nas unidades corretas (todos os pacientes são decididos juntamente com o hospitalista e enfermagem), ajuda no atendimento das campainhas, organização do pitstop, etc. Organizo também ações como forma de reconhecimento e motivação à equipe multi. Recentemente, durante a semana da enfermagem fiz algumas ações, que inclusive postei aqui no LinkedIn, e isso os encantou. Cuidar de quem cuida neste momento é primordial para um trabalho efetivo e uma equipe engajada. Todos os pacientes que entram no hospital para coletar exames de SARS-COV-2 também são acompanhados por um concierge. Se tiver sintomas, seguimos um caminho. Caso esteja assintomático, seguimos outro fluxo. Assim, temos um hospital seguro para todos. Em virtude dos fatos mencionados, gostariam de saber como eu vejo o concierge hospitalar hoje? Estão fazendo a analogia do profissional de saúde como super-heróis. Digamos que o concierge é como se fosse o costureiro da capa. Se ela se rasgar ou algo der errado durante essa aventura que vivemos nos dias de hoje, o concierge costurará com sua graça, charme, carisma, empatia e resolubilidade. E se for um bom concierge, já terá uma capa pronta para o herói não esperar. (risos!) Citando novamente Toffler, “Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas.” E não é exatamente pelo que estamos passando? O futuro chegou. E você, concierge hospitalar? Está preparado para o cenário atual? Comente sua experiência aqui também! E assim seguimos, fazendo parte da equipe multi, nos reinventando diariamente e sorrindo com os olhos. Sobre a autora Nathália Cerda é Concierge do Hospital Sírio-Libanês.

ABRASCE - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SHOPPING CENTERS
Data Veiculação: 10/06/2020 às 18h12

São Paulo, 10 de junho de 2020 – Após 83 dias fechados, em São Paulo, e 85 dias, no Rio de Janeiro, os Shoppings destas capitais irão reabrir. De forma gradual e responsável, os empreendimentos seguirão os protocolos de saúde e recomendações dos Governos Estaduais e das Prefeituras de cada município. Durante o período de fechamento, os Shoppings se prepararam para receber a população com muito cuidado e segurança. A Abrasce criou um protocolo de operações em parceria com área de consultoria do Sírio-Libanês, com mais de 20 medidas visando a atenção à saúde. Conforme a orientação do Poder Público, em São Paulo, a operação será iniciada com capacidade de pessoas limitada a 20% e horário de funcionamento reduzido a 4 horas diárias (das 16h às 20h). Já no Rio de Janeiro, haverá limite de um terço da capacidade dos estacionamentos e horário reduzido a 8 horas diárias (das 12h às 20h). Se precisar ir ao Shopping, vá com tranquilidade e respeite as orientações passadas pelos empreendimento. Use máscara, faça compra de forma programada, higienize as mãos com frequência nos dispensers disponíveis no Shopping e mantenha o distanciamento social. Voltaremos a fazer parte do seu dia a dia e nos comprometemos em seguir com cautela e muita atenção para que essa volta seja íntegra e perene. Todos nós temos a responsabilidade do cuidado conosco e com o próximo. Por isso, contem com toda nossa dedicação e empenho. Nós também iremos contar com cada um de vocês. Abrasce

VEJA BLOGS
Data Veiculação: 10/06/2020 às 17h22

A tão aguardada reabertura dos shopping centers na capital paulista está marcada para amanhã. Depois de 84 dias de espera, os 53 centros de compras da capital estão prontos para abrirem as portas nesta quinta-feira, entre 16h e 20h. O acordo entre a prefeitura e os representantes dos shopping centers formalizando a reabertura deve ser assinado até o final da tarde de hoje. A recepção aos consumidores contará com um rígido protocolo de segurança, com mais de 20 itens elaborados com a consultoria do Hospital Sírio-Libanês. É o caso do uso obrigatório de máscaras e higienização constante. Praças de alimentação e cinemas ainda seguem fechados. Refeições só por delivery ou take-away. “Voltaremos a fazer parte do seu dia a dia e nos comprometemos em seguir com cautela e muita atenção para que essa volta seja íntegra e perene”, diz o presidente da Abrasce (Associação Brasileira de Shopping Centers), Glauco Humai, em carta aberta à população. Confira no vídeo abaixo as orientações da entidade: Em 2019, os shoppings da capital registraram volume de vendas no valor de R$ 8,2 bilhões. Ao todo, são 10.410 lojas que recebem 33,2 milhões de frequentadores por mês e empregam 278.250 pessoas.

O VALE ONLINE/SÃO JOSÉ DOS CAMPOS
Data Veiculação: 10/06/2020 às 09h51

Da Redação | @jornalovale.Com 60 casos positivos e um óbito por conta do novo coronavírus, Campos do Jordão aposta agora na aplicação de testes rápidos em asilos da cidade para tentar frear o crescimento do contágio entro os idosos da cidade. O trabalho, que começou a ser feito na semana passada, será realizado duas vezes por semana. Nesta semana, os asilos Divina Providência e Sanatório Mercês vão receber os testes, que também foram oferecidos para profissionais e cuidadores que atuam nas instituições sediadas no município. Todos os testes foram negativos, segundo a Prefeitura. Na próxima semana, a mesma ação será feita nos Asilos Santa Cruz e Sakura Home. A coleta do material foi realizada por funcionários da Secretaria Municipal de Saúde, que atuam nas unidades de Estratégia de Saúde da Família. A testagem em idosos tem caráter preventivo e faz parte da estratégia de testar pessoas assintomáticas para a Covid-19, para conhecer a propagação do vírus na cidade. TESTES. A Prefeitura, comprou mais testes rápidos e recebeu também do Governo do Estado de São Paulo novos lotes. Além destes testes, há a parceria com a Fundação Lia Maria Aguiar, para fazer mais 50 exames por semana, do tipo PCR, pelo Hospital Sírio Libanês. A coleta do material é feita duas vezes por semana, nas Unidades de Saúde do Município, para pessoas com Sintoma de Síndrome Gripal, que tenham indicação clínica para o exame. A Prefeitura já testou os profissionais de saúde que estão na linha de frente, no combate à doença. E testará também, os profissionais de Segurança Pública. A cidade conta agora com 540 pessoas que fizeram exames

RÁDIO SANTIAGO
Data Veiculação: 10/06/2020 às 09h46

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) investe R$ 5 milhões em uma pesquisa científica sobre um novo método de combate à covid-19: usar o sangue de pessoas curadas para tratar pacientes que ainda estão doentes. O estudo está em fase de testes clínicos e 10 pacientes já recebem o tratamento com o uso de plasma sanguíneo. Agora os pesquisadores monitoram se o método vai gerar o resultado esperado. “O plasma, que é a parte líquida do sangue, é rico em anticorpos. A pessoa que teve a covid vai desenvolver esses anticorpos contra o vírus. A gente colhe esse plasma de doadores que vem ao banco de sangue, que já tiveram o coronavírus, mas não têm nenhum sintoma há mais de 14 dias e pode ser um doador”, explica o chefe da divisão de Hematologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e presidente do Hemocentro de São Paulo, Vanderson Rocha. No total, 120 pacientes devem participar do estudo, incluindo o chamado “grupo controle”, que recebe somente o tratamento habitual, para que seja possível comparar os resultados e avaliar a dosagem que deve ser adotada por hospitais. Um grupo vai receber 200 mL de plasma sanguíneo, enquanto o outro recebe o dobro dessa quantidade. Os pacientes serão acompanhados por 28 dias. Além de combater o vírus, a transfusão de plasma tem efeito anti-inflamatório, o que pode auxiliar no tratamento de pacientes em estágios mais graves da doença. Além do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, também fazem parte da pesquisa o Hospital das Clínicas da Universidade de Campinas (Unicamp), o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, o Hospital Sírio-Libanês e o Hospital Israelita Albert Einstein. Para que pudesse ser executada, a pesquisa obteve a aprovação da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), órgão que autoriza a realização de testes em seres humanos no Brasil. RedeVírus Essa pesquisa é uma daquelas que tem apoio do governo federal para fortalecer a rede pública de saúde na luta contra o coronavírus. No total, o MCTIC vai aplicar R$ 352,8 milhões no apoio a projetos científicos que possam ajudar a combater a pandemia. Desse valor, R$ 20 milhões são destinados para Rede Viroses Emergentes (RedeVírus MCTIC). “A RedeVirus do MCTIC foi criada em fevereiro com pessoas da área de ciência e tecnologia para que ajudasse o ministério a pensar as estratégias para o enfrentamento à covid, utilizando a ciência. As estratégias traçadas foram o desenvolvimento de vacinas, o desenvolvimento diagnóstico e o tratamento e medicamentos”, explica o secretário de Políticas para Formação e Ações Estratégicas (Sefae), Marcelo Morales. Na área de testagem, por exemplo, o Centro de Tecnologia de Vacinas (CTVacinas) da UFMG atua no desenvolvimento de um novo método para aumentar a oferta de testes rápidos. Ele é baseado no chamado “método Elisa”, que detecta a presença de anticorpos contra o novo coronavírus.

Jovem Pan
Data Veiculação: 10/06/2020 às 08h45

EFE/ Fernando Villar Para Mirian Dal Ben, o momento que São Paulo atravessa, na questão da transmissibilidade, é bom para a retomada A infectologista Mirian Dal Ben, do Hospital Sírio-Libanês, avalia que o Brasil só vai alcançar um patamar confortável em relação ao covid-19 quando 60% da população estiver imune ao vírus. “Estamos bem longe da imunidade de rebanho, temos ainda um bom chão pela frente de epidemia que vamos ter que adotar o ‘novo normal’ até chegar a vacina. Medidas de distanciamento social, máscaras de proteção e a higiene das mãos vão ter que ser mantidas.” Em entrevista ao Jornal da Manhã, Mirian afirmou que é importante “deixar a doença se transmitir” justamente para induzir a imunidade de rebanho. De acordo com ela, a reabertura deve acontecer — de forma maior ou menos — com base na capacidade do sistema de saúde. Para ela, o momento que São Paulo atravessa, na questão da transmissibilidade da doença, é bom para a retomada. “Outro ponto importante para olhar é a taxa de ocupação dos leitos de UTI, que nesse momento está em situação mais confortável do que há algumas semanas.” Ela alertou, porém, que todo o cenário é dinâmico e medidas mais rígidas podem precisar ser adotadas. “Vamos passar por momentos melhores ou piores até o fim do ano — e vamos ter que relaxar ou apertar mais as medidas de flexibilização.” OMS Nos últimos dias, uma declaração da Organização Mundial da Saúde gerou polêmica nas redes sociais. A chefe do programa de emergências da OMS, Maria van Kerkhove, disse na segunda-feira (8) que a transmissão da covid-19 por pessoas assintomáticas é “muito rara”. Na terça (9), o diretor de emergências da Organização, Michael Ryan, desmentiu a afirmação. “Estamos absolutamente convencidos de que a transmissão por casos assintomáticos está ocorrendo, a questão é saber quanto.” A infectologista do Hospital Sírio-Libanês, Mirian Dal Ben, explicou o que aconteceu. “Quando a gente vê a entrevista como um todo, a gente vê que foi uma confusão — principalmente na hora que a imprensa traduziu. As pessoas se equivocaram na interpretação.” “Nós temos quem transmite sem sintomas e os com sintomas. Dentro desse grupo tem pessoas que tem sinais muitos leves da doença, outros mais graves. E ainda tem quem transmite na fase pré-sintomática. Todos transmitem.” De acordo com Mirian, a única dúvida que ainda persiste é a intensidade que isso ocorre — porque há estudos que afirmam que os assintomáticos são responsáveis por 13% das infecções e outros que o índice chega até a 60%. Na avaliação da infectologista, a OMS não errou no gerenciamento da crise da covid-19. “Teve coisas que o órgão disse e voltou atrás, mas é natural por se tratar de uma doença nova. Temos só seis meses de pandemia e o conhecimento sobre ela muda ao longo do tempo.”