Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal

 Artrite Reumatoide

Dr. Cristiano A. F. Zerbini / Dra. Andrea B. V. Lomonte

O que é artrite?

O que é reumatismo?

Muitas pessoas vão ao médico com queixa de "dor nas juntas". "Doutor, estou com dor nos meus joelhos, nos meus ombros e nas minhas mãos. Será que estou com reumatismo?" Reumatismo significa que existe algum problema nas juntas ou articulações, para usar um termo mais médico.

Existem vários tipos de reumatismo: aquela dor que aparece nos joelhos e dedos das mãos de pessoas mais idosas, e que geralmente varia com a mudança de temperatura, pode ser um tipo de reumatismo chamado de artrose, também conhecido como osteoartose ou osteoartrite. Um outro tipo, a gota, é mais frequente em homens e pode se apresentar como uma dor muito forte que surge de repente, geralmente no pé ou no joelho, e está relacionado ao aumento de ácido úrico no sangue.

Crianças também podem apresentar problemas nas articulações. Por exemplo, uma criança pode se queixar de dor e inchaço nas articulações após uma dor de garganta. Isso acontece devido a um tipo de reumatismo chamado febre reumática, que, em alguns casos, pode afetar até o coração.

Artrite significa inflamação nas juntas. Quando uma junta fica quente, avermelhada, inchada e dolorida, dizemos que está inflamada e a pessoa tem uma artrite. Na palavra artrite, o "art" é de articulação e o "ite" significa inflamação. A artrite é umas das formas de apresentação do reumatismo. Na artrose há dor nas articulações, mas apenas raramente os pacientes apresentam inflamação nessas juntas. Existem doenças que deixam várias juntas doloridas, inchadas e com dificuldade para movimentos. Esse tipo de reumatismo chama-se artrite reumatoide.

A palavra reumatismo não é muito usada pelos médicos, porque, para muitas pessoas, ela significa a possibilidade de ter problemas para andar ou fazer as atividades cotidianas de casa ou do trabalho. "Doutor, eu vou terminar numa cadeira de rodas?"."Doutor, eu vou ficar com as mãos deformadas?". Essas são perguntas frequentes no consultório do médico que trata de reumatismo, o reumatologista. No entanto, essas dúvidas e temores não correspondem à realidade, pois, com bom tratamento e acompanhamento médico, muitas pessoas com "reumatismo" vivem bem e normalmente.

O que é artrite reumatoide?

Artrite reumatoide é uma doença comum das articulações, que se caracteriza por inflamação (dor, inchaço, calor e, às vezes, vermelhidão) em várias juntas. Os portadores de artrite reumatoide são em sua maioria mulheres, embora homens também possam apresentar o problema. Geralmente, os pacientes chegam ao consultório do médico queixando-se de dor nos dedos das mãos, punhos, cotovelos, ombros e joelhos, mas outras juntas também podem estar doloridas, como as articulações dos pés, por exemplo.

A dor e o inchaço geralmente aparecem nos dois lados do corpo, tanto no direito quanto no esquerdo. Por exemplo, doem as duas mãos, os dois ombros ou os dois joelhos. Embora várias articulações doam, umas podem estar mais inflamadas do que outras. Quando o médico faz o exame físico, ele pode notar a junta de um dedo da mão mais inchada do que as dos outros dedos, ou um joelho mais dolorido, inchado e quente do que o outro.

Para algumas pessoas, a dor pode ser muito forte: "Doutor, meu ombro dói tanto que não posso virar na cama à noite. Será que está quebrado?". "Doutor, não consigo virar meu punho de tanta dor". Essa dor geralmente é persistente e melhora pouco com os remédios analgésicos que costumamos ter em casa, para dor de cabeça ou resfriados.

Uma queixa importante, que chama a atenção dos médicos: "Doutor, quando eu acordo, minhas mãos estão duras, difíceis de abrir e fechar, e só melhoram depois que eu faço alguns exercícios". Essa "dureza" das juntas dos dedos é chamada de rigidez matinal. A rigidez matinal acontece porque as juntas das mãos estão inflamadas. Podemos até afirmar que, quanto maior o tempo de rigidez, maior é a inflamação. No reumatismo da pessoa da terceira idade (artrose), a rigidez matinal também pode estar presente, porém, dura pouco e é aliviada após alguns minutos, enquanto nas pessoas com artrite reumatoide pode permanecer por várias horas. Após o início do tratamento, tanto as dores quanto a rigidez matinal tendem a diminuir rapidamente.

Qual a causa da artrite reumatoide?

A artrite reumatoide é definida como uma doença crônica que se caracteriza pela inflamação de várias articulações. Essa inflamação é provocada por alterações importantes no sistema de defesa do corpo, também chamado de sistema imune.

O sistema imune, formado por uma rede de órgãos, tecidos e células especializadas, tem como função manter a integridade do nosso organismo, protegendo-o de agressões, como, por exemplo, de uma infecção. Algumas vezes, ocorre um desequilíbrio e o sistema imune ataca o próprio organismo, provocando uma inflamação que pode danificar vários órgãos. As doenças nas quais o sistema imune promove lesões no próprio organismo são chamadas de doenças autoimunes, e a artrite reumatoide é uma delas. Na artrite reumatoide, a inflamação provocada pelo desequilíbrio do sistema imune começa em uma membrana que envolve parcialmente as juntas, chamada de membrana sinovial.

O processo inflamatório na membrana sinovial não desaparece, como seria normal, pois o desequilíbrio do sistema imune mantém a inflamação, que, dessa forma, se torna crônica ou persistente, liberando várias substâncias ou mediadores, que contribuem para a destruição da cartilagem que envolve a articulação e o osso. A membrana sinovial cronicamente inflamada recebe o nome de pannus, e pode contribuir também para a lesão das estruturas articulares.

Outras estruturas que estão perto das articulações, como tendões e ligamentos, também podem ser atingidas. O que ainda não se sabe é qual a causa inicial do desequilíbrio do sistema imune.

A artrite reumatoide não é uma doença herdada, ou seja, não passa diretamente dos pais para os filhos. O que pode ser herdada é uma tendência a ter artrite reumatoide, ou melhor, existem famílias onde genes que transmitem essa tendência passam de geração a geração, de modo que, em algumas pessoas, esses genes se manifestam e a doença aparece, enquanto em outras, embora a tendência exista, a doença nunca chega a se desenvolver.

Atualmente, muitos médicos e pesquisadores tentam melhorar nossos conhecimentos sobre esses genes e os fatores que podem ativá-los, fazendo a artrite reumatoide aparecer. Fatores como infecção, variação dos níveis de alguns hormônios e alterações do meio ambiente estão em estudo. Recentemente, foi descoberto que o hábito de fumar aumenta a chance de uma pessoa com tendência genética à artrite reumatoide vir a desenvolver essa doença. Embora alguns pesquisadores acreditem que a artrite reumatoide possa ser "disparada" por uma infecção, não existe uma prova definitiva de que isso seja verdade.

A artrite reumatoide não é contagiosa e, portanto, não é transmitida de uma pessoa para outra. Talvez, um vírus ou uma bactéria comum, aos quais a maioria da população esteja exposta, possa fazer com que o sistema imune seja ativado de forma irregular, provocando, assim, o aparecimento da doença em pessoas que já possuam uma tendência latente.

O que sente uma pessoa com artrite reumatoide?

Os principais sintomas da artrite reumatoide são dor e inchaço nas juntas. A inflamação pode aparecer em várias articulações, como nos dedos das mãos, punhos, cotovelos, ombros, quadris, joelhos, tornozelos e dedos dos pés. A coluna vertebral só é atingida pela doença na região do pescoço (coluna cervical).

Outra junta que pode ficar inflamada e dolorida é a articulação temporomandibular. Essa articulação é responsável pela abertura e fechamento da boca, e situa-se um pouco à frente dos ouvidos. Devido à sua localização, a dor nessa articulação pode ser confundida com dor de ouvido.

Geralmente, a dor começa em uma ou duas juntas e "se espalha". Podem aparecer outros sinais de inflamação, como inchaço e calor. Muitos pacientes queixam-se de rigidez matinal (mãos duras), que, quanto maior a inflamação, maior a demora para passar.

Como é feito o diagnóstico da artrite reumatoide?

Para fazer o diagnóstico da artrite reumatoide, o médico primeiro conversa com o paciente, a fim de conhecer a história dos sintomas e, depois, realiza um exame físico à procura de sinais que caracterizem a doença. A história é muito importante, pois os diagnósticos da artrite reumatoide, em sua maioria, são feitos apenas pela descrição dos sintomas.

A presença de rigidez matinal prolongada, de artrite simétrica, ou seja, dos dois lados do corpo (as duas mãos, os dois ombros, etc), de artrite em várias articulações, bem como a persistência de dor intensa, causando sofrimento e impedindo a realização das atividades cotidianas, são, em conjunto, características importantes da história de um paciente com artrite reumatoide.

O exame físico permite a observação de quais juntas estão inflamadas e doloridas. Se a doença já está instalada no organismo há algum tempo e se a inflamação não foi abolida adequadamente pelo tratamento, o médico pode observar a presença de deformidades nas articulações.

Algumas deformidades existentes nos dedos das mãos são características da artrite reumatoide e têm designações próprias como dedo em pescoço de cisne ou dedo em botoeira. No exame físico, também pode ser observada a presença de outros sinais fora das articulações, como os nódulos reumatoides, ou, mais raramente, alterações nos olhos, indicando a presença de uveíte.

O médico também pode solicitar exames de laboratório. Alguns desses exames servem para avaliar o grau de inflamação e são chamados provas de atividade inflamatória. Os mais utilizados são a velocidade de hemossedimentação (VHS) e a proteína C reativa (PCR).

Cerca de 80% dos pacientes com artrite reumatoide têm uma proteína circulando no sangue chamada de fator reumatoide. A presença dessa proteína no sangue ajuda o médico a fazer o diagnóstico de artrite reumatoide, porém, sua ausência não elimina a possibilidade do diagnóstico ser positivo. Geralmente, quanto maior a quantidade de fator reumatoide no sangue, mais intensa é a doença.

Mais recentemente, surgiu um novo exame de laboratório para ajudar no diagnóstico da artrite reumatoide. Esse exame de sangue chama-se anticorpo anti-peptídeo citrulinado cíclico (anti-CCP) e tem como vantagem o fato de ser mais específico que o fator reumatoide para o diagnóstico de artrite reumatoide.

A artrite reumatoide em atividade (durante uma crise) pode provocar anemia, que é observada pelo médico em um exame de sangue chamado hemograma. O tratamento bem sucedido da doença faz reverter a anemia, normalizando o hemograma.

Radiografias das articulações podem ajudar bastante no diagnóstico da artrite reumatoide. No início da doença, as radiografias podem ser normais ou mostrar apenas que a articulação está inchada. Mais tarde, aparece uma diminuição da densidade dos ossos perto das articulações, que é denominada desmineralização periarticular. Se a inflamação não for contida pelo tratamento, haverá destruição da cartilagem, com diminuição da distância entre os ossos da junta, provocando uma alteração na radiografia, que é chamada de estreitamento articular.

A inflamação persistente, além de causar lesões na cartilagem, pode provocar lesões nos ossos, que podem ser vistas na radiografia e são chamadas de erosões ósseas.