Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal

 Perguntas Frequentes

Veja as perguntas mais frequentes sobre Colonoscopia:

  • O que é

    A colonoscopia é um exame endoscópico que permite a visualização do interior do intestino grosso e a parte final do intestino fino.

    Para isso, utiliza-se um tubo flexível com cerca de um metro de comprimento e um centímetro de diâmetro.

    Durante o exame, podem ser removidos pólipos ou outras lesões que eventualmente sejam encontrados.

  • Pré-requisitos
    • Estar acompanhado de pessoa maior de idade;
    • Não vir dirigindo;
    • Seguir as recomendações para um preparo adequado.
  • Preparo

    O cólon precisa estar completamente limpo, ou seja, isento de fezes e resíduos alimentares, que interferem na visualização adequada e na segurança do exame.

    O preparo tem início na véspera e prossegue no dia da colonoscopia, com a ingestão de um laxante que limpa completamente o intestino.

    No entanto, em alguns casos, existe a necessidade de essa limpeza ser feita por meio de lavagem.

  • Uso de medicação

    A maioria dos remédios pode ser utilizada normalmente, mas é importante informar ao médico os medicamentos que estão sendo tomados, especialmente se forem AAS e similares, contra reumatismo, anticoagulantes, insulina, calmantes e antidepressivos.

    Os medicamentos ricos em ferro devem ser interrompidos de dois a três dias antes do exame. Além disso, é recomendado avisar sobre alergias e reações anteriores a medicamentos.

  • Contraindicações

    Todos podem fazer o exame, mas alguns cuidados a mais devem ser tomados com quem tem problemas cardíacos, respiratórios, neurológicos e alergia a medicações.

    Caso o paciente se encaixe em qualquer uma dessas situações, recomendamos que avise o médico antes de agendar o exame.

    Contraindicações relativas:

    1. Infarto recente (ocorrido há menos de seis meses) do miocárdio;
    2. Embolia pulmonar recente (ocorrida há menos de seis meses);
    3. Neutropenia (diminuição importante das células brancas do sangue);
    4. Gravidez após o segundo semestre;
    5. Grande aneurisma de aorta ou de ilíaca;
    6. Grande esplenomegalia (baço de tamanho avantajado).

    Contraindicações absolutas:

    1. Abdômen agudo perfurativo;
    2. Diverticulite aguda;
    3. Megacolón tóxico.

  • Como é feito o exame

    Em uma sala apropriada, o paciente é posicionado confortavelmente sobre a maca, deitado sobre o seu lado esquerdo.

    Em seguida, ele recebe uma punção na veia para administração de sedativos e analgésicos, bem como a monitorização cardíaca por meio de eletrodos posicionados no tórax e a medição da pressão arterial e da concentração de oxigênio no sangue (não invasiva).

    O exame tem início com a introdução do aparelho pelo ânus. É necessário injetar pequenas quantidades de ar no intestino durante a realização do exame, o que pode causar um desconforto em forma de cólica. Ao término do procedimento, o ar é aspirado, melhorando, assim, o desconforto.

    Durante o exame, pode ser necessária a mudança de posicionamento, e o paciente pode terminar o exame deitado sobre as costas.

  • Após o exame

    O paciente é encaminhado na própria maca para a recuperação, durante a qual será acompanhado até que a maioria dos efeitos da medicação desapareça.

    Após a alta médica da recuperação, o paciente deve retornar ao seu quarto de origem ou ir para casa. A dieta oferecida obedece à prescrição médica e às suas necessidades.

    Depois de feito o exame, o paciente pode sentir o abdômen um pouco distendido e ter cólicas, que melhoram com a eliminação dos gases.

    A alimentação em casa deve ser a de sempre, salvo se houver recomendações inerentes ao exame que serão fornecidas, quando necessário, pelo médico examinador.
    A alta é fornecida pelo próprio médico, lembrando que o paciente deve sair acompanhado.

  • Possíveis complicações

    Todos os procedimentos médicos envolvem algum risco, mas as complicações decorrentes do exame de colonoscopia são muito raras.

    As mais temidas são a hemorragia e a perfuração, que podem ocorrer com mais frequência quando algum procedimento terapêutico endoscópico for realizado.